CONTATO

CONTATO : RADIOVIOLA@BOL.COM.BR
ANUNCIE CONOSCO VIA AUDIO OU BANNER ENTRE EM CONTATO VIA EMAIL : RADIOVIOLA@BOL.COM.BR

Sanfoneiro Mangabinha morreu nesta quinta feira


O músico Mangabinha, fundador do Trio Parada Dura, morreu na manhã desta quinta-feira 23/04/15, no hospital Socor, em Belo Horizonte. A causa da morte foi um acidente vascular cerebral (AVC), seguido de uma parada cardiorrespiratória, segundo informações de um dos netos do cantor, Mangabinha João Quadros.
Carlos Alberto Mangabinha Ribeiro tinha 72 anos e convivia com o diabetes há 40 anos. Ele era casado e deixa duas filhas e três netos. O enterro será nesta sexta-feira (24), às 10h, no Bosque da Esperança, no Bairro Jaqueline, na Região de Venda Nova.
Mangabinha nasceu na cidade de Corinto, na Região Central de Minas Gerais, em 1942. Aprendeu a tocar sanfona aos oito anos de idade e trabalhou como boia-fria no interior do estado. Em 1970, ele se mudou para a capital mineira.
No início da carreira de músico, Mangabinha tocou com a dupla Gino e Geno. Em 1971, montou um trio com a dupla Delmir e Delmon, com quem lançou a música “Trio Parada Dura”, que deu origem ao nome do grupo.
Delmir e Delmon foram posteriormente substituídos por Creone e Barrerito, sendo essa a formação do trio de maior sucesso. Atualmente, Mangabinha era acompanhado por Leone, Leonito e maestro Marinho.
“Fuscão Preto", "Panela Velha"  e "As Andorinhas" estão entre as músicas de maior sucesso gravadas pelo Trio Parada Dura. Ao longo de 26 anos, o músico foi dono de sete casas de show “Forró do Mangabinha” na capital.

João Carreiro lança duas novas músicas

PADARIA



FAÇA O QUE QUISER DE MIM



Homenagem da semana ...


Nascida numa família aristocrática e apaixonada pela cultura e, principalmente, pela música brasileira, Inezita começou a cantar e tocar violão e viola desde pequena, com sete anos. Estudiosa, matriculou-se no conservatório e aprendeu piano. Formou-se em biblioteconomia pela USP, antes de se tornar cantora profissional, em 1953.

Com o primeiro disco, vieram também os primeiros sucessos: o clássico samba Ronda, de Paulo Vanzolini e a caipiríssima Moda da Pinga, de Ochelsis Laureano e Raul Torres, que se tornou a mais célebre das interpretações.

Ultrapassou a marca de cinqüenta anos de carreira e de oitenta discos gravados, entre 78 rpm, vinil e CDs.

Há vinte e seis anos comanda o programa de música caipira Viola, Minha Viola, pela TV Cultura de São Paulo.

Apresentou no SBT um programa musical, aos domingos pela manhã que levava seu nome.

Inezita Barroso é reconhecida também como atriz de teatro e cinema. Por onde atuou, ela ganhou prêmios importantes, como o Troféu Roquette Pinto, como Melhor Cantora' de rádio; o prêmio Guarani, como melhor cantora em disco, além de ganhar também o Prêmio Saci de cinema. Em 2003, foi condecorada pelo governador de São Paulo Geraldo Alckmin com a Medalha Ipiranga, recebendo o título de comendadora da música raiz.
Em fevereiro de 2015, Inezita foi internada no Hospital Sírio Libanês, onde morreu na noite de 8 de março.

ESPAÇO RESERVADO PARA VOCÊ !

" ANUNCIE SEU EVENTO OU EMPRESA "
                  (34) 99678948 OU 32236891 .               

click e assista os videos abaixo

Loading...

NOTICIAS